CONSTELAÇÃO FAMILIAR SISTÊMICA

1/5

Constelação em grupo

Os encontros acontecem mensalmente,
às segundas feiras, das 19:30h às 22h.

 

Entre em contato para saber quando será o próximo encontro e venha participar/representar ou constelar alguma questão pessoal.

 

Atendimento individual

Constelação imaginativa, com âncoras de solo ou com bonecos – encontro marcado de acordo com as agendas do cliente e da terapeuta.

 

Local

Lauro Linhares, 2123, sala 405 A. Shopping Trindade

 

Inscrições pelo telefone (48) 99601-2847
ou pelo email fabia@reverbera.com.br

É uma técnica criada pelo teólogo, filosofo e terapeuta alemão Bert Hellinger nascido em 1925.  Tornou-se padre católico missionário e começou a desenvolver trabalhos com grupos. Hellinger estudou Gestalt; Psicanálise; Terapia Primal (Artur Janov); Análise de Scripts Pessoais e Analise Transacional  (Eric Berne); Hipnoterapia; Escultura Familiar (Virginia Satir), Psicodrama (Levy Moreno), Análise de Estorias (Fanita English); Campos Morfogenéticos (Rupert Sheldrake). 


No processo de seu trabalho percebeu que a consciência não é o juiz do certo e do errado, mas está ligada a certas ordens pré-definidas, as quais batizou de "ordens do amor" e todos os membros de uma família estão ligados por profundos laços de amor e lealdade. Estes vínculos atuam de forma invisível, ele demonstrou como essa consciência nos enreda inconscientemente na repetição do destino de outros membros do grupo familiar. Essas ordens são ocultas, atuam nas profundezas da alma e as encobrimos com pensamentos, objeções, desejos e medos e para vivenciar as ordens do amor é preciso tocar no fundo da alma. A desordem dessas forças é percebida em forma de sofrimento e doenças e seu fluxo harmonioso é notado como uma sensação de estar bem no mundo.

As ordens seguem as seguintes necessidades:

 

 1 - PERTENCIMENTO ao grupo ou clã - A alma liga os membros da família uns aos outros. A consciência grupal não permite que qualquer membro do grupo seja esquecido, expulso ou excluído sem exigir uma compensação. Caso isso ocorra, ela vai exigir que um descendente que vem mais tarde (e que frequentemente nada sabe ou nem mesmo participou do fato) repita o destino do excluído ou aja de forma similar a ele. “A principal eficácia e atratividade das constelações familiares reside justamente em sua força de ligação e de reconciliação. Elas recuperam os excluídos para as famílias. Ajudam a reconhecer, em pé de igualdade, todos os que pertencem a um determinado sistema de relações, estejam vivos ou mortos e seja qual for o destino a que estejam sujeitos. As constelações ajudam a reconciliar vítimas e perpetradores, bem como seus familiares, principalmente em casos mais graves, como abuso sexual, estupro, assassinato ou injustiça política.”

 

 2 - EQUILÍBRIO entre o dar e o receber nos relacionamentos, e entre as gerações - gera necessidade de compensação se há desequilíbrio. Essa consciência exige uma compensação adequada para o que foi dado e recebido. Se alguém recebe demais e não há equilíbrio, então um descendente tem a propensão de fazê-lo em seu lugar.

 

 3 - HIERARQUIA dentro do grupo ou clã - A alma da família dá preferência aos antecedentes em relação aos descendentes. A ordem natural, a ordem de precedência, é os que vieram antes tem prioridade sobre os que vieram depois. Os mais velhos têm prioridade sobre os mais novos. Os pais são os grandes e os filhos os pequenos. A relação dos pais é a prioridade numa família e os filhos vem depois para completar o sentido de união do casal. Os pais dão aos filhos e os filhos recebem. Quando há inversão nesse princípio o desconforto se manifesta em forma de sofrimento auto imposto. A família atual tem prioridade sobre a família anterior. Nos re casamentos, o segundo relacionamento tem prioridade sobre o anterior. Se tem filhos do primeiro relacionamento estes têm prioridade sobre o segundo relacionamento. A segunda mulher precisa aceitar que é a segunda. Ela é prioridade na relação frente a primeira, mas precisa reconhecer-se como segunda. Colocar a primeira esposa num bom lugar, sabendo que esta foi a primeira. É muito importante reconhecer que os “ex” fizeram parte da vida dos novos parceiros.

 

 “O primeiro caminho para a felicidade: permanecer em contato com as raízes e a partir de lá expandir-se e ser feliz”.

 

 “A avó que morreu no parto; a filha cuja verdadeira origem a mãe ocultou do marido; o primeiro marido da mãe, morto na guerra; o desertor fuzilado pelo pai; a avó, com seus numerosos abortos; o médico, com seus erros profissionais; a emigração do primeiro marido da avó; a própria vida numa cultura estrangeira... - tudo isso são ocorrências ligadas ao destino que afetam, em muito, as gerações subsequentes. Em face de grandes embates políticos, sociais e militares, sentimos instintivamente o mesmo que disse o jornalista belga sobre a guerra colonial no Congo: “Quantas gerações isso vai durar, até que se cure?” “Emaranhamento” é uma das palavras mágicas que acompanham as constelações familiares. Constitui a matéria das tragédias e também das comédias. Às vezes, as constelações atuam como uma peça de teatro. De forma comprimida, dramas humanos são “encenados", sempre como histórias especiais, referindo-se a determinados destinos familiares. Na antiga Grécia as peças teatrais eram dedicadas a Asclépio, o deus da cura. Quem presenciou Bert Hellinger abordando, diante de grandes públicos, temas relevantes como os destinos dos judeus e dos nazistas, os destinos das guerras europeias ou as situações de guerra civil na América do Sul pode perceber algo da dimensão coletiva da alma e do lado coletivo da cura.”

 

Esse método busca clareza sobre os laços de amor que unem a família, descortinando soluções complexas, inusitadas e simples para os problemas e conflitos psíquicos dos que buscam por esse trabalho.

 

 “Liberada a força do amor, encontramos a reconciliação e a paz”.

 

Como acontece a técnica? Um cliente apresenta um tema de trabalho e, em seguida, o terapeuta solicita informações factuais sobre a vida de membros de sua família, como mortes precoces, suicídios, assassinatos, doenças graves, casamentos anteriores, número de filhos ou irmãos.

 

Com base nessas informações, solicita-se ao cliente que escolha entre outros membros do grupo, de preferência estranhos a sua história, alguns para representar membros do grupo familiar ou ele mesmo. Esses representantes são dispostos no espaço de trabalho de forma a representar como o cliente sente que se apresentam as relações entre tais membros. Em seguida, guiado pelas reações desses representantes, pelo conhecimento das "ordens do amor" e pela sua conexão com o sistema familiar do cliente, o terapeuta conduz, quando possível, os representantes até uma imagem de solução onde todos os representantes tenham um lugar e se sintam bem dentro do sistema familiar.

 

“As constelações confiam na capacidade do cliente, em sua responsabilidade e competência para lidar bem com aquilo que vivenciou.”

 

Fontes:

Site do Instituto Hellinger

Artigo da Wikipédia
A Pratica das Constelações Familiares - Editora Atman  em PDF